Quem tem o desprazer de me ter como contato adicionado no Facebook (hauahuaa) sabe que não é de hoje que compartilho certos fragmentos do meu cotidiano na rede. Nos últimos dias tenho dividido com as pessoas coisas que considero um desprestigio, principalmente pra mim que sou um cara de 28 anos de idade. Gosto de andar por ai batendo rolézinho de skate pelo meu bairro e faço isso sozinho. Sempre tem uma garotada andando de skate e ultimamente tem sido moda e marca de gente subversiva e delinquente, como era antigamente. Vez ou outra passo por ai e recebo xavecadas (quem diria, tem gosto pra tudo), algumas bem diretas e no papo reto. O problema meus amigos, é que quando olho para ver de onde vem a ariscada, sempre é de uma novinha entre seus 14 e 16 anos.

Tenho amigos meus que dão o papo na moral: “Diego deixa de ser otário, quando é comigo eu como mesmo, eu choro, ela quer dar e já fode pra caralho”. Bem, que essa garotada de hoje fode pra caralho e se bobar mais do que eu, não duvido. Contudo a questão aqui é o que leva uma novinha de 15 anos a tentar flertar com um cara de 28 como eu? Tanto guri adolescente zanzando de skate por ai, vagabundo, do mal, roquista, subversivo… eu não tenho nada além de um visu de pai roqueiro de família, cara de grosso e barba.

Eu entendo que isto na verdade seja o sintoma de uma tendência que vem se consolidando cada vez mais: a de garotas que cresceram sendo assediadas por caras mais velhos ou se envolvendo com homens bem mais “maduros”, o que não é nada bom para a formação sexual dessas pessoas. Não tenho nada contra sexo, em escala e em prática alguma, agora tudo nessa vida tem fases. Uma coisa é uma guria de 14 anos descobrir a vida sexual e o próprio corpo com um guri da idade dela, de 16 ou 18, outra é ela pensar que por algum motivo ou raio que o parta, eu vá tentar abrir as pernas dela.

São cantadas do tipo: “nossa, ual… eu sempre tive o sonho de aprender a andar de skate, deixa eu subir ai contigo?”, ou então a guria vem me parar no meio do meu rolézin pra me chamar e dizer que a colega dela (e aponta pro banco do parque) me achou bonito e tá querendo trocar umas ideias comigo e que é pra mim ir lá. Olho pro banco e é uma fedelha. Não dou a sorte de ser cantado por uma mulher de 30 anos, afro, que trabalhe, seja bem resolvida sexualmente e que saiba conversar sobre tudo. Deve ser pelo motivo de mulheres assim geralmente não se interessarem por caras da minha idade que andam de skate pra passar o tempo? Deve ser né… Foda-se.

wtf-wed-08_06_14-920-68Em um outro texto que escrevi aqui, chamado “Pesa mais de 60 quilos? Então é vara nela!“, opinei sobre esses caras que por algum distúrbio sexual, desvio de caráter ou simplesmente tara, não dispensam garotas bem mais jovens. Garotada, tem que ter discernimento. Uma coisa é você ser um cara de 18 anos e manter relações sexuais com uma guria de 15 anos, outra é você ser um cara da minha idade (28) e pensar que é normal você se envolver com uma garota de 17. Até com alguém de 20 já acho muito estranho. Se tiver de 18 pra cima, dos males o menor se olharmos pelo ponto de vista da lei somente, somente.

Entendo que hoje em dia as garotas chegam aos 14, 15 e 16 anos com o corpo basicamente já formado, com pernas bem torneadas, quadris ao melhor estilo da brasileira e seios vistosos, mas eu tenho que te lembrar que o adulto é você e não ela. Embora ela tenha o corpo extremamente parecido com o de uma mulher adulta, ela não está ainda em pleno gozo do potencial intelectual e de repertório de vida para saber o que quer de fato, sendo muitas vezes impulsionada pelo momento ou pelas emoções, característica típicas dessa idade e você lembra muito bem como era isso. Conheço mulher adulta que ainda não sabe o que quer da vida, o que dirá adolescente.

Essa atmosfera de sexualidade aflorada e descoberta sexual precoce, somada a questões biológicas que fazem com que essas meninas se tornem “mulheres” fisicamente muito rapidamente, são coisas que realmente não são do nosso controle, mas uma coisa é: nós mesmos. Não adianta dizer que ela veio pra cima de ti e te agarrou, que ela te provocou ou que ela te seduziu. Mano, tu quer que eu acredite que uma criança de 15 anos te forçou a cometer atos sexuais? Não zoa…

Eu realmente sou contra adultos alimentarem relacionamentos que tenham teor romântico e especialmente sexual com adolescentes, embora saibamos que esta é uma prática muito comum, mas não deveria. Não sou nem de longe um defensor da moral e dos bons costumes, acredito piamente que as pessoas devam dar vazão aos seus desejos desde que isso não prejudique ninguém, desde que os envolvidos sejam adultos, responsáveis por si mesmos e gozem plenamente de suas faculdades mentais.

Pra muitos homens deve ser um privilégio chegar até certa idade catando garotas novinhas e arrancando suspiros e gemidos delas, eu sei pois um dia, já adulto, me envolvi com pessoas bem mais jovens que eu, mas tem anos que eu entendi e tomei vergonha na cara, aprendi que na verdade isso é um desprestígio, não desmerecendo as jovens mas o homem que se vale disso, afinal de contas conquistar uma guria que mal sabe algo da vida é simples e fácil, já fazer isso com uma mulher madura, certa de si e estável emocionalmente meu camarada, não é simples, pois você deve realmente ser fazer um cara interessante. Foder e gozar todos querem, mas ser interessante e construir isso junto a pessoas adequadas que é bom, nada né?

Bem, é isso. Quando você estiver no fluxo e observar as novinhas no grau, já que você sabe o que “elas quer”, como dizem os “manolos” das perifas de Belém: “pegue o beco por onde o senhor veio”. É isso galera, Flw vlw.

Acauã Pyatã

Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo.

Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br