adv_blog_18

Em um artigo intitulado “5 motivos para você fazer sexo com seu marido todas as noites“, escrito por Meg Conley para o Brasil Post, de todas as coisas interessantes contidas no texto, uma das que mais me chamou a atenção foi o seguinte trecho:

As mulheres precisam que diversos requisitos sejam preenchidos para se sentirem amadas. Os homens são muito mais simples. Eles precisam ser alimentados, ser apreciados e fazer sexo.

Na guerra dos sexos contemporânea, uma das questões que mais se discute é a complexidade para agradar a parceira ao passo que homens basicamente podem ser resumidos a receber alguma atenção e sexo. Além do que, se tiver sexo as outras coisas se resolvem facilmente. Confesso que a coisa é bem por ai (risos). Mas acho muito importante destacar que não existe uma regra preponderante quanto ao comportamento masculino e feminino sobre relacionamentos. Conheço garotas que não possuem as características do senso comum para mulheres e caras que se aproximam muito das características tidas como tipicamente femininas para isto.

Por algum motivo, não sei precisar se cultural ou quem sabe de nossa própria natureza, somos muito desconexos quando o assunto é o emotivo sobre paixão. Homens normalmente são mais simplistas, embora existam alguns que possuem intensidade impressionante. Normalmente você não vê um cara esperando que a namorada manje que ele fez a barba, ou que está com as costeletas aparadas. Alguém ai já viu algum rapaz reclamando com a namorada ou até mesmo namorado por não ter reparado na roupa? Então, penso que são características que foram introduzidas no nosso modo de vida por questão sociocultural, já que homens foram educados desde que  o mundo é mundo na sociedade ocidental a não ter “frescura”, já que tais coisas ficam para as garotas. Desculpem se parece sexista e duro mas é como as coisas são.

Eu particularmente não sou muito difícil de ser agradado por uma garota com quem mantenha vinculo afetivo, basta me dar o minimo de atenção, reservar um pouco de tempo pra gente, jogar vídeo game comigo e claro: sexo. Tem características desejáveis como topar tomar umas biritinhas comigo vez ou outra, mas este é outro assunto. Com base nas minhas experiências em outros relacionamentos, que foram grandes escolas, aprendi a ter uma série de medidas como cuidados, atenção a detalhes, maneira de tratar, ponderar entre ser flexível ou firme em discussões, decisões e atitudes com base no que pude perceber do comportamento e reações do outro gênero, entendendo que garotas são diferentes de garotos e possuem outras expectativas. Ponto.

É óbvio que relações de qualquer natureza só se sustentam com uma série de fatores que vão além de sexo, embora considere o referido um assunto delicado já que sexo com qualidade ajuda e muito o relacionamento, mas sou suspeito pra falar sobre. Não sei quantas de vocês concordam ou se percebem no texto da Meg, mas de todo modo quanto a relacionamento e questões entre os gêneros, o que vale no meu ponto de vista é ambos tentarem se entender, fazendo concessões. Assim todo mundo sai feliz, amado(a) e transa. Tem outro ponto de vista? Fale-me sobre.

Enquanto pensa, outros artigos que achei divertidos no Brasil Post que tem a mesma pegada:


Ainda não? Então assiste esse vídeo ai da “Presidente Dilma”, é bem divertido.

Acauã Pyatã
Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo. Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br