É isso mesmo garotada, a postagem de ontem com o relato de um homem, que me foi enviada pelo site e o mesmo pediu para não ser identificado de maneira alguma, rendeu e até então despertou a atenção e curiosidade de algumas pessoas. Se você não leu o  post “Descobrindo o ménage à trois com a esposa“, não deixe de conferir pois está muito legal. Na postagem, a pessoa anônima fala sobre a experiência de dividir a esposa com outras mulheres na cama, com todo mundo pegando todo mundo. Uma pessoa que se identificou como Mauro, respondeu aos comentários e me mandou um e-mail descrevendo a experiência dele sobre o mesmo assunto, porém com uma breve diferença: ele divide a esposa com outros caras.

Vamos conferir o e-mail do Mauro:

Quero relatar como conheci, iniciei meu relacionamento e me casei com minha atual esposa.

Eu e minha esposa éramos divorciados, quando nos conhecemos. Tanto eu quanto ela, procurávamos alguém que quisesse conhecer alguém para curtir sexo casual e sem compromisso. Acabamos fazendo um casal ( falávamos que éramos casados ), que estava querendo realizar aventuras sexuais.
Fizemos algumas trocas de casais, mas acabamos descobrindo que o ménage masculino ( sem rolar homo, pois somos héteros ) era o que mais gostávamos. Estamos juntos há 10 anos ( casados há 6 anos ).
De vez em quando fazemos alguma “festinha”, pra nos divertirmos, mas não fazermos disso nossa forma de viver e de nos relacionarmos. São somente momentos de diversão.

Não vou dizer que essa seria uma fórmula para todos casais se divertirem. Mas isso nos une e torna nosso amor cada dia mais sólido. Não vou dizer que um relacionamento assim seria o ideal, mas para nós é muito gratificante.

Acho muito interessante quando as pessoas decidem, mesmo que anonimamente, dividir as suas experiências de vida e sexuais que fogem do que temos como padrão socialmente aceito. Penso que o que choca mais a “sociedade” não é o ato em si, mas afirmar que isso torna o relacionamento melhor e mais feliz. Este é o momento para discutir o que é de fato certo ou errado.

menage-a-troisQuantos casais vocês conhecem, que possuem relacionamentos ditos moralmente aceitos ou tradicionais e não são felizes? Em muitas culturas a monogamia ou sexo que vá além do casal foi e são comuns, porém em nossa sociedade, que possui fortes vínculos com questões religiosas isso acaba se tornando marginalizado e proibido, o que ao meu ver acaba tornando tudo mais gostoso e intenso pra quem pratica.

Quando falamos de ménage à trois e swing, tratamos de experiências sexuais que não se cabem a todos, pois para tais práticas você realmente deve possuir uma disposição para aquilo e até mesmo se preparar emocionalmente e psicologicamente, afinal de contas as pessoas crescem aprendendo que fidelidade em relacionamentos amorosos está diretamente ligado a exclusividade sexual e afetiva, coisa que francamente não tem absolutamente nenhuma relação com a  outra. Com isso surgem conceitos como poliamor, que não iremos discutir aqui. Expressar liberdade e independência sexual é um desejo que muitas pessoas possuem, porém a nossa cultura nos formata de maneira que acabamos desenvolvendo repulsa a isso. Eu imagino que seria estranho para você se a sua namorada te convidasse para transar com ela e mais uma garota, mas possivelmente você toparia pela curiosidade, agora se ela te chamasse para comer ela junto com outro cara, ai você viraria o cavalo do vingador.

Eu tenho certeza plena de que ninguém é obrigado a absolutamente nada e sou contrário aos teóricos da sexualidade humana que afirmam ser esse o próximo passo na evolução do comportamento sexual de nossa espécie. Eu acredito que ocorrerá somente a maior aceitação quanto a casais e pessoas que praticam o que hoje temos como incomum, mas as formas tradicionais de relacionamento que mantemos hoje ainda seguirão firmes e fortes.

dieta-mediterrc3a2nea-4Pessoalmente, não tenho ainda este desprendimento todo de dividir uma namorada pela qual possua paixão romântica, mas vejo com extrema normalidade casais que curtem fazer swing ou ménage à trois. Isso não é putaria, imoralidade ou descrédito para nenhum dos envolvidos. Foda-se o que a moral e bons costumes, pautada na religião, afirmam sobre estas coisas. Quando o assunto é sexualidade, o importante é descobrir do que gostam, respeitando os limites de cada um e com isso encontrar o caminho para uma vida a dois mais feliz e completa.

As pessoas que nos relatam estas coisas no blog nem necessitariam dizer, para que possamos concluir que em virtude do que praticam quanto a sexualidade em casal, que são extremamente felizes e possuem relações sólidas. Convenhamos, para fazer ménage ou swing, você tem que confiar muito na parceira ou no parceiro, afinal de contas: “deixo livre as coisas que tenho, se são minhas, continuam comigo”, e fim.

Acauã Pyatã

Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo.

Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br