A gente vai ficando velho e não se cansa de se divertir com os brothers que ficam no estado de “sofrência” em virtude de relacionamento. Eu aqui com os meus botões observando uma criatura do gênero masculino que enfrenta um término de relacionamento recente e embora se empenhe em afirmar que não está nem ai, apresentou uma mudança súbita de comportamento. Repentinamente começou a postar intensamente fotos de suas aventuras baladistas nas mídias sociais, com um monte de garotas dando like e comentando.

Assim, sabe aquele momento em que o que se diz não acompanha exatamente aquilo que se faz? Pois então. Tem gente que termina relacionamento e como dispositivo de defesa contra a “sofrência” afirma para si mesmo(a) que não tá nem ai, que agora vai ser diferente e etc… Mas acaba descobrindo poucos momentos depois que a coisa não é bem assim. Em tempos de mídias sociais, o sintoma mais comum tanto para homens quanto para mulheres de senso comum é abarrotar o perfil de coisas relacionadas a vida de solteiro, mentindo para si mesmos ao afirmar que é uma atitude de liberdade, mas a verdade é que essa ondinha toda e mudança de comportamento tem só um objetivo: chamar a atenção do(a) ex.

Quando você não está mais nem ai e liga o foda-se mesmo valendão, você simplesmente não faz porra nenhuma, nada e absolutamente nenhuma coisa que possa refletir na outra pessoa, agora se você está sofrendo e está tentando esconder e fazer aquela capa para a pessoa e pra todo mundo, rolam essas atitudes estranhas e mudança de comportamento extremamente expositiva. Cara tem que rever isso dai pois não vai rolar. Mulheres pensam de maneira diferente de homens. Perceba, se você é um cara que começa a publicar coisas baladitas, fotos tuas com outras garotas e coisas do gênero pra chamar a atenção dela e mostrar que está em cima da carne seca, ela realmente pode ficar abalada mas ao contrário do que você pensa, ela possivelmente não deve pensar em voltar, mas deve chutar o balde e mostrar como é que se mete ficha de verdade no período pós relação, logo você atinge o efeito contrário.

Quando a via é a outra, garotas fazem aquele “H” pra mostrar pro cara que estão podendo embora a verdade seja que a trilha sonora de Pablo impere no background, a tendência da maioria dos caras é ficar em uma vala de agonia. Ai rolam aquelas dissonâncias do cara começar a dizer que ela nunca gostou dele de verdade, que é uma vagabunda, que deixou ele e no dia seguinte já tava dando pra outro. Motivo? Homens são em geral mais infantis e despreparados para essas coisas. Claro que não existem regras aqui, as coisas podem acontecer também ao contrário, com ela na vala e o cara metendo ficha e mostrando como é que se quebra a banca, mas estou falando da coisa em termos mais comuns. Claro que tem aquela galera que também caga e anda, liga o foda-se e vai tocar a vida por saber que o mundo é cheio de gente interessante e ponto.

Se você está nessa fase pós relacionamento, tem que ter uma das duas coisas em mente: 1) Você quer reatar o relacionamento ou 2) Quer seguir a vida e venham as novidades? Não dá pra ficar em cima do muro garotada, quem fica indeciso e não sabe o que quer gera a nossa terceira alternativa: quer frescar.

Se você quer voltar com a porra da relação, deixe de orgulho e frescura, vai lá e conversa com ele(a), tenha aquela DR, discutam o que fez a relação terminar e se é possível cada um fazer as devidas concessões e entrem em um acordo quanto a voltar ou não, dependendo do resultado da conversa. “Ah Diego, mas eu sempre corri muito nesse relacionamento, sempre me arrastei. É hora dela também vir correndo no meu rastro…”, velho se tu foi trouxa lamento te dizer que a culpa foi tua, afinal de contas em toda relação tem o momento de ser flexível e o momento de ter pulso firme. Se não quer correr no rastro dela e acha que ela tem que vir, então sente e espere. Pode ser que ela venha ou não, então pelo sim ou pelo não encontre uma forma de fazer as coisas acontecerem, mas te garanto que ficar fazendo postagens indiretas para ela não vai te ajudar em nada. Uma cisa é deixar claro que você se importa e ainda tem interesse, outra é ficar frescando.

Se você não quer voltar, então bicho na boa, para de ficar enchendo a porra do stream do Facebook dos outros com as tuas publicações sofridas, com frases e músicas de amor, com indiretas do tipo “a vida é dura, mas vai passar” e coisa e tal. Ninguém quer saber se tu estas em um inferno emocional, se vira com esse negócio ai e se resolva, toque a sua vida e vá conhecer pessoas novas. O empirismo confirma que gente que romantiza em demasia se fode mais na vida (hauahuahua). Só vale a pena romantizar comedidamente as coisas quando existe correspondência.

É um saco escrever sobre isso pois quase aos 30 anos de idade já passei por isso quando adolescente, adulto e francamente acho desnecessário, mas sempre tem alguém vindo com choro, querendo conselhos e fazendo totalmente o contrário do que eu digo, piorando tudo quando enche o meu stream de mídias sociais com músicas mela cueca do Charlie Brown Jr, forrós, rocks teens variados e etc… Quando é adolescente eu entendo, pois eu também já fui adolescente, já fui apaixonado e já levei as coisas relacionadas ao coração ao extremo. O que eu não entendo é como um homem de quase 40 anos se enfia em uma vala astral em virtude de um fim de relação.

Não sou insensível, sei que sofrer por se afastar de alguém que se gosta é normal. Eu também passo por isso quando me apaixono porra, mas não fico enchendo o saco dos outros com toneladas de publicações sofridas, não fico postando indiretinha pra garota e quando quero esquecer de vero, ignoro tudo que é publicação em mídias sociais e o tempo cuida do resto, num tapa. Agora porra tem cara que desfaz amizade, deixa de seguir, bloqueia a garota mas todo dia tá de cara enfiada no que ela publica nas redes sociais.

Gente indecisa é um perigo pra si mesma, não deve existir espaço para ficar em cima do muro, ou é ou não é, ou vai ou racha, é sim ou não, é vamos ou foda-se. Tem que ver parceiro, até que ponto vale a pena investir tempo e vida pensando em alguém, se não vale a pena, é desperdício de vida e até que me provem o contrário, isso só temos uma e é esta, que é extremamente finita.

Acauã Pyatã
Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo. Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br