adv_blog_18

Mano, quando a B.A. te liga, de duas uma: 1) ela tá sozinha em casa e a família dela só vai voltar no outro dia ou 2) tem alguma treta muito louca pra compartilhar. Agora pouco rolou a segunda opção para mim. A pessoa me liga para contar sobre a inusitada experiência que tinha rolado durante um papo com um cara, que segundo ela de repente forçou o assunto pra falar sobre o famigerado “fio terra”. Uma vez ela me perguntou o que eu curtia e o que não curtia quanto a sexo, eu disse: “sei lá, eu só não curto esse papo de terra”. Ela riu muito e desde então diz que sempre que alguém vem com esse papo de terra com ela, a pessoa lembra logo de mim e da situação engraçada.

Vamos ao caso: Ela tem trocado ideias com um cara e de repente rolou o assunto clichê de quando não se tem o que falar ou se quer convidar para transar mas não está criativo(a) para fazer a coisa de maneira interessante, “o que você gosta ou não quanto a sexo?”. Ela relata que o cara de repente, no meio do papo, veio com um lance de fio terra, dizendo que as garotas tem que entender que o cara que curte levar umas dedadinhas não é fresco e que tem que rolar também uma lambidinha, já que as mulheres tem que entender que tem caras que também gostam de receber.

Ok Brasil, para tudo ai. Assim, essa questão de ser coisa de fresco ou não é um detalhe muto delicado. Freud nos dizia que o ser humano tem fases de descoberta do corpo através de zonas erógenas como a boca, o ânus e os órgãos genitais. É fato que crianças exploram o corpo dessa maneira progressivamente e não existe nada de errado em curtir o fio terra se tu realmente dá valor nisso cara. O relato da minha B.A. é que ela achou isso muito estranho e percebe-se que uma baita de uma viadagem (risos).

A pergunta que não quer calar é que se o cara curte levar o terra da garota, guarnecido de um beijo grego (eita caralho!), ele é fresco? Vai depender do ponto de vista não é? Se ele não se considera homossexual ou bissexual, vendo nisso somente uma forma de ter prazer físico, se reconhecendo como heterossexual e que gosta de mulher, ok champa! agora muito curiosamente é que esta não é a primeira vez que ouço esse tipo de coisa e de todas, NUNCA ouvi de uma garota que foi receptiva quanto a esta solicitação do cara. Eu percebo que este tema é muito disruptivodo do padrão masculino até mesmo para garotas, o que dirá para nós homens.

Confesso que sou um homem rustico e que vejo muita coisa com estranheza. Acho estranho homem que passa hidratante no corpo e que tem a mão fina e delicada, então o que dizer de um cara que curte levar dedada e quer ter a língua da garota brincando no ed? Tem gente que vai dizer que isso é vontade de dar reprimida, tem gente que vai dizer que isso é coisa de fresco, tem gente que vai dizer que a Coca é Fanta. Eu sou da galera que diz tudo isso, mas respeito a maneira como as pessoas se sentem.

Fico imaginando como deve ser broxante pra uma garota estar transando com um cara e de repente ele virar pra ela e dizer: “mete o dedo no meu cu”, já que o mais comum é ela dizer “come o meu cu” (até me animei agora). O desejo sexual humano é tão complexo e variado que fica muito difícil denominar pessoas assim, nos restando apenas aceitar que são como são e tê-las reconhecidas da maneira como querem ser vistas é o pimeiro passo.

Você que é menina, ficaria com um cara que curte terra e beijo grego nele? Aliás, isso merece uma enteque. Participe!

Para meninas: Você faria um terra ou daria um beijo grego em um cara em que você tem tesão caso ele pedisse durante uma transa?

View Results

Carregando ... Carregando ...

Acauã Pyatã
Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo. Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br