Dela para eles: por Elva Vieira.

Tá na moda casar. Não sei se é pela minha idade, mas tenho muitas amigas casando. Tendo todo aquele trabalho para escolher a melhor promoter, o vestido mais bonito, a festa mais inesquecível. Outro dia o Maroon 5 lançou um clipe entrando em casamentos e dando aquela festa… E encheu minha timeline de moçoilas solteiras sonhando com esse dia tão esperado.

Não funcionou comigo. Porque sei que um casamento envolve muito mais coisas do que a própria festa. A exemplo do rapaz encantado com quem você irá ser fiel e estar presente na alegria  e na tristeza, na saúde e na doença bla bla bla.

Ah, o noivo. Este belíssimo ser que você é apaixonada e quer dividir sua vida com ele. Espero que o seu seja bem legal, que saiba dialogar, compartilhar e ajude nas tarefas domésticas. E que se ele não for exatamente isso, que você saiba ser firme ao dividir bem as tarefas da casa, das contas e tudo mais.

Porque algum dos rapazes foram muito mal acostumados pelas mães. No fim das contas pode ser isso que ele espera de você: uma cópia da mãe dele, que faz todas as vontades, comidinha, roupa lavada. Ai não dá. Porque você precisa viver, tem que trabalhar e não é empregada de marmanjo nenhum.

Esse é um dilema bem complicado para quem pensa em unir os trapinhos com um rapaz mamãezado. Foi o caso de uma amiga e que ela resolveu da seguinte forma: para que o carinha aprendesse a se desprender dos mimos da mãe, propôs que ele saísse de casa para morar sozinho. Só iria morar com ela depois do casamento e de um tempo para entender que a roupa não se lava milagrosamente sozinha.

Eu particularmente já conheci umas peças assim. A mãe do último até avisava: “você está morando com ela, mas ninguém vai te tratar com todo o conforto do que a sua mãe te trata em casa”.  Ainda bem que esse recado ela mesma deu a ele. Nem pretendo. Aliás, espero não fazer isso com o meu quando (e se) eu tiver um filho (o que é muito fácil falar, né, deve ser uma árdua missão não encher nosso bacuri de mimo).

Mas antes que eu deixe esse texto com cara de pregação feminista, é bom lembrar que existem mulheres mamãezadas também, dessas que não tem coragem de lavar um banheiro sem dar chilique. Enfim, defeito todo mundo tem, somos cheios de vícios e manias que herdamos ou que criamos. Estar apaixonado é legal, querer casar e morar junto é saudável, mas precisa de cuidados e muita responsabilidade. Será que as moças que suspiraram com aquele clipe do Maroon 5 também pensam nisso? Porque não vai ter Adam Levine pra ensinar ao maridão que é mais gostoso quando o casal divide as tarefas de casa.

Quem é ela? Ela é ELVA

elva

Libertária e muito bem resolvida com seus 28 anos. Adora filosofia de boteco, música pra dançar sozinha, lhamas e livros sobre cultura contemporânea. Siga @elvavieira no Twitter.

Acauã Pyatã

Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo.

Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br