Hoje o papo sobre o assunto não se refere a amantes como pessoas namoradas umas das outras, esse é um nível da questão que nesta postagem não merece atenção e destaque, mas discutir a ser amante como alguém que é a outra pessoa simplesmente. Sendo claro e direto: quem é ou já foi amante sabe que as vantagens são claras, pois você faz tudo o que o(a) titular faz (e as vezes até coisas que ele(a) não faz) e não tem sequer um pingo de responsabilidade que a pessoa titular tem.

A grande questão é que nada nessa vida é só vantagem parceiro, e tem vários pontos de vista. Se você é o amante style “latino”, que é a pessoa quem se relaciona com outra motivado pelo prazer físico e é realmente desprendido de tabus como exclusividade sexual quanto a outra pessoa, você irá viver feliz a história enquanto durar. O grande “x” da questão é o que te motiva quanto amante? A carne ou o emotivo? Se for a carne, o tesão, o prazer sexual e a aventura, você não terá maiores problemas caso a outra parte também desenvolva a relação secreta da mesma maneira, o problema acontece quando uma das partes se envolve de maneira emocional.

Sexo nunca está diretamente relacionado a questão da paixão. Você pode transar com alguém sem estar apaixonado(a), simplesmente pelo libido, assim como pode estar apaixonado(a) por alguém e nunca compartilhar do corpo. Obviamente que as duas coisas juntas somam uma a outra, permitindo ter o quem sabe o melhor quanto a si mesmo e do(a) outro(a). Afirmo que o problema ocorre quando você é amante e se envolve emocionalmente, pois a questão é que ser a outra pessoa de alguém é sempre ser e ter pela metade. Quando ambos tem envolvimento emocional, quanto a questão da paixão por exemplo, poucos e raros são os motivos para desenvolver uma relação como amantes justificada, já que remover o obstáculo, que é o(a) titular não é um problema grande e demanda apenas tempo e paciência dependendo da situação, mas quando somente uma das partes possui envolvimento emocional, esta parte está condicionada a ser e ter pela metade, o que sempre vai gerar uma sensação de algo incompleto, por realizar, em somente um dos atores.

Isto é muito comum em casos em que garotas se envolvem com caras casados, que só querem sexo mas que por nada nesse mundo largariam a esposa, pois com a esposa desenvolvem uma relação afetiva de fato e com a amante somente sexual. Pode ocorrer a inversão dos papeis também.

Quem já esteve em ambos os lados da moeda sabe muito bem quanto a situação pode ser muito favorável, tanto quanto sofrida. Mas ser amante possui muitos significados e definições, dependendo do contexto e dos envolvidos. Você pode ser amante do seu namorado ou esposa, assim como também de amigos(as) e não ter nenhuma relação paralela, nem tão pouco a outra parte. Em um nível mais complexo ser amante é aquele(a) que é cumplicie, companheiro(a) e que divide em algum nível afeto, seja de maneira emocional e/ou sexual.

Pra você, o que é ser amante? Já foi? Já teve? Ou tem? Cara é um assunto complicado, mas se não fosse não seria tão bom e quente.

Esta postagem foi resultado de uma conversa que tive agora pouco inbox no Facebook com um amigo que está tendo problemas entre ser a amante de uma mulher casada e saber que a questão é somente carne, mas acha que está começando a trilhar pelo lado da paixão. Boa sorte pra ele.

Acauã Pyatã

Na maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um tremendo vadio de skate e desocupado no Insta. Insurgente, divergente e procrastinador. O tipinho de cara que escolheu morrer de pé ao ter que (sobre)viver de joelhos, alguém que escolheu ser a navalha ao invés da carne, um homem que absolutamente não é obrigado a nada, entendeu? N-A-D-A. Um maldito índio moderno em uma arcaica selva de pedra que um dia haverá de cair. Mas não agora, não mesmo.

Fale com ele pelo e-mail: diego@derepente.blog.br