De Repente

Tacapando pimenta nos olhos de quem merece. Fazendo arder na pele de quem precisa.

Tag

poema

Não dá certo…

Não tem como isso dar certo, No mesmo universo, Cada um em sua dimensão, Não dá certo, Enquanto dizia sim, Você me enchia de não. Não tem como isso dar certo, Você pedia paciência, Eu dizia: tudo bem porque não?… Continue Reading →

O Moinho de Vento

Era apenas um velho moinho girando, Solitário ao sabor do vento, Resistiu a chuvas, a trovões, tempestades, Tremeu durante o grande terremoto, Ali sozinho quando ninguém viu. Terremoto, meteoro, águas que castigam, Ventos gélidos, saudade, escuro e solidão. Apenas a… Continue Reading →

A segunda efervescência

Já são litros de café preto desde então Linhas e linhas rabiscadas em papeis amassados Vários retalhos de devaneios espalhados pelo chão de areia Formando um mosaico confuso, sem sentido e efervescente. Tudo bem mais que isso, mas nunca sempre… Continue Reading →

Te tenho aqui em flash back

Mais uma vez estamos nesse quarto ao meio tom Que lembra um final de tarde marcado pela luz antiga A luz do poste entra pela janela Marcando o teu corpo atirado naquela parede Com os carros jogando efeitos e faixas… Continue Reading →

Simplesmente não sou obrigado a nada.

Eu não sou obrigado a nada, Não sou obrigado a namorar e me casar, A ter filhos e constituir família, Simplesmente por ser isso que a religião diz. Não sou obrigado a aceitar a religião. Não sou obrigado a nada,… Continue Reading →

© 2017 De Repente — Powered by WordPress

Theme by Anders NorenUp ↑