De Repente

Tacapando pimenta nos olhos de quem merece. Fazendo arder na pele de quem precisa.

Tag

poética

Balada da última despedida

O vento ressoa pela janela aberta, São onze horas da noite, Os sopros entram e invadem o apartamento, As cortinas dançam com as luzes da cidade, Que marcam o ritmo na parede. No andar de baixo pessoas apaixonadas, Ouvem aquela música repetidamente sempre… Continue Reading →

Simplesmente não sou obrigado a nada.

Eu não sou obrigado a nada, Não sou obrigado a namorar e me casar, A ter filhos e constituir família, Simplesmente por ser isso que a religião diz. Não sou obrigado a aceitar a religião. Não sou obrigado a nada,… Continue Reading →

Terreno baldio e tudo o que eu mais gosto em ti

Seco a vida me deixou tão seco Neste carnaval quem sabe e tal Entre o bem e o mal Me vi no sopro do vento Do Silêncio A casa vazia e panos úmidos A torneira pingando Pessoas no porta chamando… Continue Reading →

O que é boteco

Eu até fiquei emocionado olha. Todo amante de boteco sabe que é lá que boas histórias de nossa vida começam, rolam e muitas vezes terminam. Enfim...

Eu até fiquei emocionado olha. Todo amante de boteco sabe que é lá que boas histórias de nossa vida começam, rolam e muitas vezes terminam. Enfim… Acauã PyatãNa maior parte do tempo: publicitário e blogueiro, nas raras horas vagas um… Continue Reading →

Pedro, o bêbado.

Uma rua e a lua No bar tem Pedro O primeiro copo Me traga logo Aqui tem gente Mas não foco a lente Pra quem sabe de repente Fugir com minha mente O segundo copo Bateu o remorso Daquilo que… Continue Reading →

© 2018 De Repente — Powered by WordPress

Theme by Anders NorenUp ↑